sábado, 4 de julho de 2009

...É mesmo só vontade de dizer mal...


A propósito das eleições do Benfica...
Não tenho qualquer formação jurídica nem a pretendo vir a ter, no entanto considero que para além de todas as trapalhadas e exageros decorrentes do acto eleitoral, deparámos com um autêntico manancial de visões e apreciações jurídicas que não nos deixa de deslumbrar.

Num dia, existiria supostamente uma providência cautelar que impediria Luís Filipe Vieira de concorrer às eleições. Sobre este assunto pronunciaram-se diversos advogados e juristas através do media, contrariando este entendimento, enquanto da mesma forma, outros juristas o garantiam afincadamente.
Noutro dia, seria comunicado que a providência cautelar de suspensão das deliberações sociais não foi proferida com sentença de mérito, quer de procedência quer de improcedência, o que só ocorreria apenas após julgamento, resultando assim que a lista de LFV poderia legalmente participar do acto eleitoral. Surgiram logo, também, pareceres diferentes sobre o assunto.

Penso que todos estes entendimentos/desentendimentos surgem também por grande responsabilidade da comunicação social, assim como, por alguma incompetência não representativa da classe dos advogados, no entanto, é espantosa a diversidade de visões e opiniões jurídicas que um assunto legal pode originar.

Toda esta história faz-me recordar o apoio jurídico que existia numa empresa onde prestei serviços, o qual tinha sempre,em todas as ocasiões emitia opiniões jurídicas bastante concretas e elucidativo sobre qualquer assunto..
Passadas, no entanto, algumas semanas, o mesmo apoio jurídico apresentava opiniões jurídicas bastante concretas e elucidativas sob o mesmo assunto, mas completamente divergentes das iniciais.
Rapidamente me apercebi da necessidade imperativa da solicitação de pareceres jurídicos por escrito, o que resolveu a situação ... até ao dia em que me deparei com dois pareceres antagónicos sobre o mesmo assunto assinados pela mesma pessoa...
Mais tarde, esse apoio jurídico foi substituído por dois novos advogados, que passaram a fornecer a partir daí, entendimentos e pareceres completamente divergentes dos proferidos pelo apoio inicial e, curiosamente, por vezes, igualmente divergentes entre si...

Realmente toda a capacidade, amplitude e diversidade de opiniões jurídicas sempre me maravilhou...
Penso que é profundamente injusta a opinião negativa que muitas pessoas cada vez mais emitem sobre alguns advogados e juristas ...

... É mesmo só vontade de dizer mal ...

4 comentários:

A Senhora disse...

Não se se lembra, mas nos primórdios bíblicos, deus colocou uma lei : nao comer do fruto da árvore do bem e do mal. daí que a serpente induzio eva, que comeu e ofereceu a adao, que nem piscou duas vezes e também comeu.
na hora que deus viu e arguiu, foi aquele jogo de empurra-empurra, que ao final deu no que deu.
entretanto, a liçào bíblica que a gente tira daí é que : a lei existe para ser burlada, e para isso tem-se que ser muito criativo para não ser pego - daí as várias interpretações. :)

(Ai, se Deus me ouve...)

bjs

Observador disse...

Este é só um exemplo de como (não) funcionam os "media":

Num despacho emitido no dia das eleições, um juiz da 9ª vara considera não existir "qualquer título executivo judicial susceptível de ser executado" e multa Bruno Carvalho em cerca de 190 euros por "falta de prudência" no requerimento que pedia a execução da citação ao Benfica.

Alguém deu conta de se ter publicado esta notícia que é importante?
Eu não. E, se foi, claro está que terá sido num canto de qualquer página e com letra muito pequena.

De resto, havia muito para dizer sobre este "post".

opinião própria disse...

A Senhora

Gostei da metáfora.
A Bíblia tem muito que nos ensinar ...

opinião própria disse...

Observador

Claro que a noticia referida não tinha o impacto e não seguia os objectivos pretendidos pelo que foi colocada num canto de uma página...

See Also

Blog Widget by LinkWithin